Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2010

E é pra lá que eu vou passar o reveillon!

Imagem
Mas vou fazer xixi antes de sair de casa!

Location:Brasil

Irrite à vontade

No primeiro semestre desse ano, recbei uma ligação do Livre Embratel. Diziam que, como eu era assinante do Via Embratel, teria direito a uma promoção em que receberia o aparelho gratuitamente e ficaria um ano sem pagar assinatura, para "testar". Nesse período pagaria apenas as ligações que fizesse.
Eu argumentei que já tinha telefone fixo, mas diante da insistência da atendente de que eu não teria despesas por um ano, acabei aceitando. Ela me deu opções de aparelhos para escolher e tudo o mais.
Passados 2 meses, nada de os aparelhos chegarem. Liguei para a Via Embratel, que me disse que a promoção era da Livre e mandou eu ligar pra lá. Liguei e a atendente disse que não havia qualquer registro da compra. Perguntou se eu queria fazer naquele momento. Eu disse que não, pois a empresa parecia ser desorganizada e se já estava errando assim no início, imagine depois que a pessoa fosse assinante.
Esqueci o assunto, até que recebi nova ligação da Livre, oferecendo a mesma promoção.…

Trapalhada

O momento "Rosa Púrpura do Cairo", no especial sobre Didi, até poderia ficar legal. Mas quem foi que disse que Oscarito era bicha?! Pois foi assim que me pareceu naquela interpretação.

Falta muito?

Imagem

Natal

Tentamos ter um jantar de Natal, mas não foi fácil. Ontem, em meio às notícias de falecimento de Orestes Quércia e Maestro Zezinho, soubemos que tia Aninha tinha falecido.
Tia Aninha foi a primeira esposa de meu tio José e, apesar do pouco contato, na minha cabeça ocupava o posto de tia a tal ponto que nunca chamei a segunda esposa de tia, apesar desse segundo casamento ter sido mais duradouro e eu ter muito mais proximidade com Mirinha, a segunda esposa. Talvez porque, na minha cabeça de criança, ela tinha que continuar sendo minha tia já que era mãe das minhas primas.
Na minha infância lembro que Tia Aninha me chamava de "Saman". Não consigo lembrar outra pessoa da família que me chamasse assim.
Como ela já estava doente, a sensação de que "descansou" paira em nossas mentes. Para a mulher animada e alegre que era, que tinha o apelido de "Bagaceira", ficar em cima de uma cama com sonda já era uma morte em vida.
Descanse Aninha, sabendo que sua passagem …

Fiz o possível pra não dar bandeira

Para escapar de passar mais um Natal na Record e ter a chance de aparecer na Globo, Fábio Jr se sujeitou a um dos piores micos de sua carreira.
O especial Tal Filho, Tal Pai foi uma mostra de que Fiuk não é talentoso e que Fábio Jr já teve seu momento.
Além do corte de cabelo ridículo, Fiuk ainda se prestou a inventar uma biografia, tornando-se uma personagem. Isso sem contar no visual emo e se portando como uma "drama queen" ao receber uma crítica desfavorável. Menos ridículo se tivessem interpretando papeis assumidamente fictícios.
Justiça seja feita, não aguentei ver o programa todo. Mas pelas críticas que ouvi, inclusive de minha mãe que disse não ter entendido "aquela besteirada com Fábio Jr e o filho ontem na televisão", acho que não melhorou muito depois do primeiro bloco.

Feliz iPhone Novo

Tentei convencer a mim mesmo que estava bem com o iPhone 3G S e que não precisaria mudar pro novo modelo agora. Melhor seria esperar o novo upgrade.
Mas quando vi o quiosque da TIM anunciando o aparelho, na segunda-feira, mandei às favas o bom senso e decidi comprar.
Perguntei ao moço quanto custava. Avulso: R$ 2.160,00; pelo plano Infinity 160, R$ 1.650. Perguntei sobre o plano e a portabilidade de um número do OI Conta Total. Ele disse que não precisaria mudar o plano antes na OI, que eles fariam a portabilidade ali mesmo.
Como sou adepto do passo-a-passo, decidi que primeiro deveria migrar meu número para fora do Conta Total e só depois fazer a portabilidade. Não queria nenhuma confusão. Voltei pra casa sem o aparelho e, ao acessar o Facebook, vi uma foto de Celso Jr. já brincando com o dele. "Ai, que ódio!" e eu ainda sem o meu.

No dia seguinte foi o pane da OI. Na quarta, a Central de Atendimento ainda não conseguia realizar o atendimento até o final. Se bem que sem inc…

Nova ortografia

Imagem
Como se ter uma kombi não fosse erro suficiente.

De Mendelssohn a Chopin

Todo mundo já leu ou viu na TV sobre a tragédia no casamento em Pernambuco. Entre todos os comentários que são feitos, acho que as questões mais importantes a serem elucidadas são:

1 - Onde foi parar a arma do crime?
O delegado, do alto da sabedoria que só um delegado pode ter, disse que: "a tendência após um suicídio é de a arma permanecer na mão de quem atirou".
Ainda que esse suícidio seja moderninho e não queira seguir tendências, parece claro que não foi o criminoso quem ocultou a arma. Provavelmente, foi o dono da arma. Provavelmente, por ela ser ilegal.

2 - Qual o motivo do crime?
Que esse crime foi passional, apenas uma grande reviravolta poderia negar. A família até tentou dizer que os tiros no padrinho foram ao acaso, que o noivo atirou a esmo e acertou no padrinho. Bom, não é o que esses depoimentos dizem:
"Ele abraçou minha irmã por trás, deu um beijo e um tiro na orelha dela. Ele deu outro tiro, que acertou meu filho. Depois perseguiu o amigo (Marcelo). De…

Casa da Mãe

Ontem, atendendo a um convite de Karol Senna, fui à Casa da Mãe, no Rio Vermelho, onde ocorreu a leitura e o lançamento do livro “Sexo Oral Feminino: Dicas importantes para quem gosta de mulheres”, do professor Acúrsio Esteves. Inteligentemente, o prato da noite era língua apimentada.
Como o convite não informava o horário, cheguei por volta das 21:30, achando que seria um bom horário para começar alguma coisa. Ocorre que estou no meu fuso horário de recesso e férias e esqueci que o resto do mundo está trabalhando, portanto, quando cheguei lá não havia mais mesas e o evento já tinha começado.
Sem possibilidade de sentar, jantar e apreciar a leitura, decidi ir pra outro local. O problema é que eu tinha marcado de me encontrar com Beto lá e, com a pane da OI, tive que esperar ele chegar para informar que não ia ficar, pois não tinha celular para avisar.  Parecia que eu vivia no tempo das cavernas!
Mas valeu ter ficado. O rapaz que fazia a leitura era ex-namorado de uma amiga, mas não me re…

Vídeo chiclete.

Tem música que gruda na cabeça da gente como chiclete e fica difícil de tirar. Tanto que existe um site, o unhear-it, que serve para você se livrar dessa música. Infelizmente, o sistema só funciona substituindo a música chata por outra.

Ontem eu estava no ensaio do Cortejo Afro, quando, ao entrar num bar, ouvi um sujeito cantando: "vou não, quero não, posso não..." Foi o suficiente para lembrar do vídeo abaixo.



Pior é que além da música, comecei a fazer a dancinha. Ou seja, o vídeo todo é um chiclete. Saí do bar sem conseguir parar de cantarolar a música. Uma menina ouviu e disse: "eu conheço", e passou a cantar também. Fui embora, antes que a coisa se espalhasse. Que saudade do tempo em que sucesso no Youtube eram "Fala, Sônia" e "Tapa na Pantera".

Abaixo a inclusão digital!

Imagem
Fiquei sem saber o que é mais hilário:
1 - o vídeo em si;

2 - a aprrsentação feita no youtube (transcrita ipsis literis, ou, em bom português: ctrl+c, ctrl+v):
ESSA É MINHA VBJ - VERSÃO BRASILEIRA JEF JAY PARA CANÇÃO ALEJANDRO DA CANTORA LADY GAGA, NELA SEGO À IDEIA DA LETRA ORIGINAL TRADUZIDA, POREM EM ALGUNS PONTOS TRADUZINDO EM VERSÃO PARA ADEQUOAR. OBJETIVO: ENTRETER DE FORMA AGRADAVEL COM UM POSSIVEL SIGNIFICADO DA LETRA ORINAL ,NO CASO DESTA VBJ.

3 - o fato de ter sido denunciado no Youtube como impróprio para menores. Sacanagem. Mau gosto não é pornografia!

Deu na Folha

Imagem
Pra quem não é assinante UOL e não pode conferir on line, aqui está o print da Folha de São Paulo desse domingo. Amiga minha, tá?! Tenho fotos para provar.

O Direito ao Palavrão (Pedro Ivo Resende)

Os palavrões não nasceram por acaso. São recursos extremamente válidos e criativos para prover nosso vocabulário de expressões que traduzem com a maior fidelidade nossos mais fortes e genuínos sentimentos. É o povo fazendo sua língua. Como o Latim Vulgar, será esse Português Vulgar que vingará plenamente um dia. Sem que isso signifique a “vulgarização” do idioma, mas apenas sua maior aproximação com a gente simples das ruas e dos escritórios, seus sentimentos, suas emoções, seu jeito, sua índole. “Pra caralho”, por exemplo. Qual expressão traduz melhor a idéia de muita quantidade do que “Pra caralho”? “Pra caralho” tende ao infinito, é quase uma expressão matemática. A Via-Láctea tem estrelas pra caralho, o Sol é quente pra caralho, o universo é antigo pra caralho, eu gosto de cerveja pra caralho, entende? No gênero do “Pra caralho”, mas, no caso, expressando a mais absoluta negação, está o famoso “Nem fodendo!”. O “Não, não e não!” e tampouco o nada eficaz e já sem nenhu…

Caralho! Censuraram a Porra do Tomate.

Puta que pariu, esse filho da puta do prefeito de Salvador está aprontando cada vez mais. O escroto resolveu censurar a propaganda da música EU TE AMO PORRA, do cantor Tomate. Beto achou a medida salutar, acreditando que os outdoors foram retirados para acrescentar a vírgula. Porra nenhuma. O sacana do prefeito alegou que a propaganda tinha palavrão!
Vá se fuder, viu? E porra é palavrão, onde?
Vai tomar no cu! Esse prefeito viado é desconectado com a realidade. Se preocupa com a porra do outdoor e a cidade nessa merda que está, com ruas esburacadas pra cacete, a avenida Bonocô alagando com qualquer chuvinha e um metrô que não sai e ninguém sabe pra onde está indo a desgraça do dinheiro!
E enquanto esse post foi escrito com os 10 palavrões mais usados pelos brasileiros, a maior indecência desse país, de causar ojeriza a qualquer cidadão, está nesse link aqui:
http://g1.globo.com/politica/noticia/2010/12/aumento-de-salario-deputados-pode-custar-r-18-bi-municipios-diz-cnm.html

E agora la…

Avisa lá, oh, oh...

Imagem
Essa nota foi publicada no blog do Marrom, em 13/12/2010:
Como não foi possível ser realizado na Concha Acústica do TCA, o Tributo a Saul Barbosa acontece no próximo domingo, a partir das 13h, no Parque da Cidade.  Vão cantar: Elba Ramalho, Margareth Menezes, Márcia Short, Jau, Gerônimo, Val Macambira, Xangai, Jatobá, Ricardo Chaves, Laurinha, Roberto Mandes, Jorge Portugal, Wil Carvalho e Adelmo Casé.  O espetáculo leva a assinatura de  Val Macambira. A direção de palco é de Nestor Madrid e a direção musical de Luciano Calazans. O ingresso é  um quilo de alimento não-perecível.
No dia 14/12/2010, A Tribuna da Bahia publicava: Dia 19, acontece o show tributo a Saul Barbosa! Estão confirmadas as participações de Elba Ramalho, Margareth Menezes, Márcia Short, Jau, Gerônimo, Val Macambira, Xangai, Jatobá, Ricardo Chaves, Laurinha, Roberto Mandes, Jorge Portugal, Wil Carvalho e Adelmo Casé. O espetáculo, capitaneado por Val Macambira (que assina a direção artística), terá na abe…

O canto dessa cidade é meu.

Imagem
A prefeitura de Salvador publicou, como de praxe, o edital de contratação dos artistas para tocar no carnaval nos palcos e trios bancados pela prefeitura.  Como sempre, foram selecionados artistas que se inscreveram nas categorias "notórios" e "emergentes". Numa cidade onde os talentos surgem em cada esquina, imagino que seja difícil para qualquer comissão selecionar artistas para tocar nos festejos momescos. Todavia, na categoria "notórios", há um critério objetivo a nortear a escolha e se a lista publicada pela prefeitura já me deixou curioso ao incluir "celebridades" como Neto Bala e Cida Lima, a lista dos inscritos e recusados para cantar no carnaval causa espanto maior. Vejam abaixo alguns dos artistas que a prefeitura não considerou com notoriedade suficiente para ser contratado: Luiz Caldas - acho que dispensaria qualquer comentário. Por mais evangélico e não soteropolitano que seja o alcaide de Salvador, até ele há de concordar que o nome d…

O Samba da Mulata "URSOBELEZA"

Imagem
Você bebeu naquela festinha familiar e deu vexame por causa do alcool?
Acredite, tem gente que faz muito pior:

Não é a mamãe.

Ontem fomos ver Jingobel de Claudio Simões. Pra mim, o nome da peça era "Jingobel, é Jingobel mesmo", mas como tem doze anos que eu a vi da última vez, não dá pra confiar na memória.
Estava meio com o pé atrás dessa montagem porque seria exatamente isso: uma montagem. Homens vestidos de mulheres. Ainda por cima dirigidos por Marcio Sherrer, a Madame Catchup de Graxeira... (A Fanta Maria dele).
Já podia me ver sentado no teatro com a música dos Bragaboys tocando ao fundo, na minha cabeça: "Isso aqui é BOMBA!... tra-la-la-la... Isso aqui é BOMBA!"
É nesses momentos que você precisa dos amigos, então fui com Tata, Tina, Tom e mais dois de outras letras do alfabeto.
Acho que ninguém leu esse release, que encontrei num site, e fiquei agradecido de não haver um programa com versão impressa. Entre colchetes, meus comentários:
"Data do ano onde as pessoas, acredita-se, estarem ["as pessoas estarem"?] mais “reflexivas” [quem pôs as aspas? Joe Tribbiani?] e…

Tirinhas pra quem tem insônia e pra quem é sem noção

Imagem

Tirinha pra quem é nojento.

Imagem

Letter From Home - Sérgio Pereira e Vinícius Oliveira

Imagem

Atendimento

Com a chuva e a falta de companhia, acabei desistindo de ir comer sushi fora. Resolvi pedir.
Liguei pro Red Hashi e perguntei à menina se tinha delivery.
"Tem"
"Quais são as opções dos combinados?", tive vontade de completar: "Já que seu estabelecimento não tem sequer um site na internet com o cardápio".
Ela pediu pra esperar e depois de alguns minutos pediu pra eu ligar de novo que o sushi man viria atender.
A sensação que dá é de que estou pedindo algo extraordinário e não um serviço que o restaurante presta todos os dias.
Vou tentar de novo agora.
O sushi man, que chama a atendente de "amor'", começa a recitar o cardápio. Fico zonzo com as descrições dos pratos e escolho um. Provavelmente, o errado.
Pergunto se eles têm cardápio para o delivery e ele responde que não.
Assim fica difícil.

Tirinha pra quem pergunta se pode.

Imagem

Era pouco e se acabaou.

Chega ao fim a dupla Rick e RennerApós mais de 20 anos cantando juntos, Rick e Renner se separaram. A decisão partiu de Rick, após o parceiro ter se ausentado de diversos compromissos nas últimas semanas, reservadas para a divulgação do recém lançado trabalho, “Happy End”. Os boatos de uma possível separação correram durante todo o ano, mas os motivos eram outros, como o disco lançado por Rick ao lado de seu filho, Victor, e a candidatura de Renner ao Senado. As canções que estavam sendo trabalhadas nas rádios já foram cortadas, e no ano que vem, Rick se lançará solo, com um projeto provisoriamente chamado “Rick Sollo”. Ontem pela noite, mesmo, já foi feito um twitter com esse nome (@ricksollo). No último final de semana, o cantor já se apresentou sozinho, mas a separação ainda será oficialmente anunciada. Deixa ver se eu entendi: Rick pediu pra terminar porque Renner não estava comparecendo?! Ah, tá.

Outros Natais

Algumas pessoas vão se recordar desse desenho de Natal com a Turma da Mônica:



Talvez o que poucos lembrem, ou confessem lembrar, é da versão que passava nos anos 70, quando o tempo na TV não era tão precioso e eles podiam deixar de colocar alguns comerciais para mostrar um desenho bem maior que alegrou várias crianças, inclsuive esta que escreve o blog:

Coisas natalinas

Recebi um comentário com pedido de um áudio que eu coloquei num blog já desativado há 5 anos. Na época eu colocava áudios no blog e isso deixava Jorginho louco, pois alguns arquivos eram pesados e faziam a página demorar a abrir. A postagem original, de 25/12/2005, é esta aqui:

Quero ver você não chorar... Ontem estava me arrumando pra ir comer chester na casa de minha mãe. Lá em casa o peru nunca foi tradição porque ninguém gosta, e nem sei como é que a gente celebrava o Natal antes da Perdigão inventar o chester. Devia ser com frango, mas eu não lembro. Mas o post não é sobre isso. Enquanto me arrumava vi propaganda da Varig. Jorge Bem (já que estou falando do passado, nada de Benjor) cantando a tradicional música: Estrelas brasileiras no céu azul, iluminando de norte a sul...
Nessa hora, caí na bobagem de dizer que eu queria que tocassem todas as antigas músicas de Natal das propagandas. Como a do Bamerindus. Beto logo corrigiu: "Nacional". Não, eu não estava falan…

Por uma infância sem racismo

Imagem

Cada um com seus problemas

Imagem
Pelo celular: Djaman Barbosa.

O motivo dos acidentes

Imagem
Pelo visto, rico e culto não enche a cara, não dirige em alta velocidade, não ultrapassa perigosamente. Enquanto que os acidentes, segundo o comentarista, só devem ocorrer com carros populares.