Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2009

Merchan

Imagem
Parece que a nova minisérie da Globo terá o patrocínio da Pepsi:

Quem lembra do Baby Dancing, aquele protetor de tela que foi uma praga nos anos 90? Todo mundo instalou pelo menos uma de suas muitas versões (disco, macarena, salsa, samba, rock, etc...)
Pois agora descobriram o Baby Dancing original, ensaiando para retornar totalmente atualizado:

Reforma ortográfica: causando dor de cabeça há mais de 2.000 anos

Um simples acento não visto e um sujeito vira corno com as bençãos divinas. O mais interessante é que vários religiosos e instituições fazem essas interpretações toscas da Bíblia há séculos. Só que nem sempre reconhecem com a facilidade que o Pastor Pedreiro fez:

Uvirundum

Promulgaram a Lei Vanusa.
Achei legal, mas isso quer dizer que não veremos mais cenas como essa?

Confuso

Esse vídeo contém cenas explícitas de preconceito religioso.


Esse pastor começa confundindo Artemis (nome grego para a deusa romana Diana) com Afrodite (em Roma: Vênus). Artemis era justamente o oposto de Afrodite em relação ao amor, já que era indiferente a esse sentimento e dedicada à caça.
No fim do video, o pastor confunde o banheiro com a cozinha. Se forem convidados a jantar na casa dele, cuidado!

Pastor Pilão -Mulher Maravilha

Já que comprei briga com o pessoal lá de cima, e não estou falando só sobre o vídeo da GOL que continua me rendendo xingamentos, vou colocar esse vídeo que achei no Youtube. Vale a pena ver as várias versões do Pastor Pilão (He-Man, Pião da Casa Própria, Flashdance...), mas eu logo achei que essa seria a versão mais óbvia, e por isso mesmo a mais engraçada. Se não tivesse encontrado, eu mesmo faria um.
No tempo que eu frequentava cultos, eles não eram tão divertidos.

E até que o dia chegue enfim

Dentro do bombom ainda há licor?

Homenagem.

À uma amiga cujo nome não precisa ser mencionado.

E que tudo mais vá pro inferno astral

Em 30 de agosto começou meu inferno astral. Esse ano até que tava tranquilo. Um pequeno stress no trabalho, mas nada anormal.
Depois do assalto de ontem, a coisa começou a desgringolar. Pra começar, tentei comprar outro iPhone (desculpe Vitor, mas É um iPhone). Fui na loja TIM do Shopping Barra e não tinha. Em casa, tentei ver no site os telefones das lojas TIM, sem sucesso. A maioria não tinha o telefone cadastrado. Procurei então pelos sites dos shoppings Iguatemi, Salvador, Paralela e Boulevard, em Feira de Santana.
Chega a ser engraçado que uma loja de telefonia não tenha um telefone pra contato. Tem uma da Claro que o número é de um celular que está desligado. Nas da TIM, nenhuma tinha o iPhone. Mesma coisa nas lojas da Vivo, sendo que em uma delas tive que ligar 3 vezes pra conseguir essa informação.
Tive que comprar o celular pela internet e agora tenho que esperar 8 dias úteis.
Pra piorar, a nota fiscal e o IMEI do iPhone ficaram em Feira, então tive que voltar pra cá pra bloquear…

O Brasil criança

Ontem contribui com um sistema de distribuição de renda que não é propagandeado pelo governo Lula, mas que funciona.
Um membro de uma ong não identificada se dirigiu a mim, enquanto o taxi estava parado no semáforo, e com quatro palavras repetidas duas vezes num volume um pouco mais alto do que uma conversa pede, tavez exigido pelo barulho do trânsito, tentava convencer-me que o Bolsa-família, bolsa-escola, vale-gás e outros vales misérias, sustentados pelos impostos que descontados no meu salário e pagos indiretamente através de compras e serviços, não estão sendo suficientes para atender todos aqueles que, como ele, não conseguiram, ou não querem, um emprego formal e são muito tímidos para vender dvd pirata naquele mesmo semáforo.
Menos as palavras do que o instrumento perfuro-cortante que acompanhava a palestra, substituindo com êxito qualquer powerpoint na arte do convencimento, me fizeram contribuir com meu aparelho de celular.
Ou melhor, com meu iPhone, já que naquele exato momento…

Façam suas apostas

Imagem
Uma ação civil pública, movida por uma professora da cidade de Valença, pede o adiamento do carnaval de Salvador se forem adotadas algumas providências em virtude da gripe suína.
Na luta "poder econômico versus saúde pública", tenho minhas suspeitas de quem vai prevalecer. A doença que desobedeceu a ordem presidencial de não atingir o Brasil (Brasil não precisa se preocupar com gripe suína, diz Lula) já fez mais de 800 mortes no país. Enquanto Lula dizia que a situação estava tranquila e a melhor medida do governo para combater a doença era xingar o vírus de terrorista, o número de mortes aumentava.
Segundo o mapa abaixo os casos se alastram no sul maravilha. E o governo tranquilo.

Alguém acha que vai haver preocupação maior com uma cidade que, apesar da crença de seus habitantes, está situada no nordeste?
Uma prévia disso já vi no noticiário de hoje. Uma infectologista da UFBA disse que a situação está bem mais controlada hoje do que algum tempo atrás. Eu, que nunca estudei in…

Pela moral e pelos bons costumes

"Direitos quem, quem direito anda". A frase, que pode fazer muito sentido na cabeça de muitos, foi usada durante o regime militar para justificar qualquer ato contra quem "não andava direito", o que significava, quem não andava de acordo com as regras impostas pelos militares.
Sob muitos aspectos, é o que vejo retratado no caso da professora que dançou com "tudo enfiado" e foi demitida em seguida. Algumas pessoas disseram que a conduta da mulher seria motivo de dmeissão por justa causa, outros que tirariam seus filhos da escola se a professora deles fizesse aquilo.
Fora tudo que eu já disse sobre os perigos de fazer um julgamento moral, que é uma questão subjetiva, procurei pesquisar mais sobre a ingerência dos patrões sobre a vida pessoal dos seus empregados.

"A arte é livre e deve continuar livre, mas tem de se adaptar a certas normas!". Após o discurso onde usou essa frase, Joseph Goebbels conversou com Ludwig Klitysch, o diretor da principal pr…

Agora vai.

O Globo Esporte denunciou: boxeadores que perdem por noucaute estão participando de luta sem observar o prazo mínimo exigido para ingressar em nova luta. Com o problema na televisão, o Ministério dos Esportes baixou uma resolução para dizer que as ligas desportivas devem observar a regulamentação acerca do prazo mínimo.
Ou seja, uma norma para dizer para as pessoas pararem de descumprir a outra norma.
Esse é um país que vai pra frente...

Dá o meu chip!

Pensei em algumas justificativas para a cena abaixo:
1 - O atendimento das "teles" é tão ruim que é melhor se submeter a isso do que pedir resgate do número.
2 - É uma propaganda do OI Agenda, mostrando as desvantagens de não ter o serviço.
3 - O chip é de ligação livre local, interurbano, internacional e celular por 300 anos.
4 - Não é um chip de telefone, mas um chip experimental regulador de hormônios.



Márcio Mello e Lanlan precisam atualizar: "O telefone é meu, o chip é do Pedro"

Morro... discutindo

Imagem
Pra quem não entendeu as últimas postagens, feitas diretamente pelo iPhone sobre Morro de São Paulo, aqui vão algumas explicações para evitar comentários maliciosos e totalmente desprovidos de fundamento, como o feito por Aline, pessoa que eu sempre achei mais esperta do que a idade permitiria.
No meu primeiro dia no Morro fui arranhado por um gato de rua. Não sei se o gato tinha sido infectado por algum vírus ou inalado alguma substância estranha (nem tão estranha assim naquele local), mas certamente alguma coisa naquela zunhada combinada com sol quente e caipirosca resultaram numas postagens um tanto enigmáticas. Pra não dizer confusas.
Não posso decodificar tudo que está naquelas postagens, até porque não lembro de muitas delas, mas vou fazer algumas explicações sobre duas referências, que precisavam do conhecimento de uma conversa prévia.

- Paraíso ontológico. Ainda em Nazaré, Vitório falou que viajou pra certo lugar, no século passado, que era um verdadeiro paraíso e arrematou "…

Morro de saudades

Morro de Sao Paulo - dia 3. Após procurarmos uma alternativa pro rodízio e não sermos atendidos no Nero "qualquer coisa", desistimos e fomos pra pizzaria. Fomos até um palco e perguntamos que horas era o show. O rapaz falou que tinha uma banda à meia-noite e logo depois ADÃO NEGRO. Acordei agora 8:25.

Morro. Mas venho. Parte 2

Segundo dia. À noite. Aprendi a não clicar no botão send antes de terminar o post.
O dia foi muito estranho. Alguns poderiam pensar que foi a mistura de caipirinhas com cerveja, mas pra mim foi efeito de uma roda de samba em frente à Igreja principal. Os elementos místicos ali contidos fizeram um vendaval de sensações no meu juízo.
Após não irmos para Boipeba, não tomamos banho de argila e não conhecemos o banco de areia, apesar de promessa de que "não iríamos nos arrepender". E lá na praia ficamos, com Vitorio Emanuel se permitindo cair ao chão por causa de Alcione, até decidirmos voltar para almoçar.
Encontramos Ana, colega de trabalho, que do seu conforto nos cumprimentou, beijou e fotografou.
Aí as coisas ficaram mais confusas. No restaurante, o garçon nos serviu cantando, ou assim nos pareceu depois, essa estranha canção:
"Mas se é lontra
Não vou nem perguntar
É tão lontra
Vou servir sem pensar
E ele come e adora
Come até sem gostar.
Esse espaguete que me deu
É de tomate.…

Morro. Mas venho.

Não tenho muita certeza, mas acho que tenho mais de 35 anos. Se esse cara no Rg for eu, meu nome é Djaman e esse é o segundo dia no Morro de São Paulo.

Morro... mas vale a pena.

Depois de uma noite em Nazaré, deixamos os cachorros com minha mãe e seguimos para passar o fim de semana em Morro de Sao Paulo.
Certas preocupações do trabalho me pesaram na consciência de viajar nesse momento, mas eu já tinha tudo pago. Resolvi relaxar. Afinal, já perdi muitos momentos por causa do trabalho e quando querem me ferrar me ferram mesmo assim.
Chegamos a Guaibim, deixamos o carro e compramos a taxa de embarque. A moça anunciou a próxima partida: 7 horas! Compramos para só depois descobrir que "7 horas" é uma expressão do dialeto local que signica "sairemos quando chegar um ônibus com gente suficiente pra compensar a viagem".
Assim, pontualmente às 7:28, partimos.
Com a experiência de outra viagem ao Morro, evitamos ficar em uma pousada na praia, já que isso implicaria em carregar malas pelas areias da praia.
Ao perguntarmos pela pousada, e ver que as pessoas não a conheciam, minha espinha gelou. Mas chegamos e a Pousada Caracol é ótima. Além de muito b…

Tá demaaaaaaaaaaaaaaaaais!

Quando eu era criança, lembro do constrangimento quando passava a propaganda do Regulador Xavier (1,2... 1,2...). Eu sabia que que o 1 era pra excesso e o 2 pra escassez, mas não sabia de quê!Lembro de ter perguntado e recebi a resposta vaga que era coisa de mulher. De qualquer forma, a propaganda era discreta, mas suficientemente clara pro público alvo. E só. Nos últimos tempos, tem me incomodado muito as propagandas mais explícitas e escatológicas. Enquanto um Pedro, o Cardoso, fala sobre catarro, o outro, o Pedrinho, recebe os amiguinhos em casa para fazer cocô. E de cocô a televisão está cheia. Tem a dança da tubulação que deixa com cheiro de cocô. Isso sem falar nos mistos de iogurtes e laxantes que indicam com setas por onde o cocô deve ir, como se qualquer ser humano precisasse de um mapa pra uma coisa dessas. Pois quando eu pensei que já estávamos no sótão do Congresso Nacional, o lugar conhecido como fundo do poço, vem esse vídeo onde um pastor... vejam bem... resolve mostrar o…