Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2012

Pelo direito de ser promíscuo e obsceno

Uma imagem circulando no Facebook me irritou muito. Mostrava imagens atribuídas a paradas gays, com as frase: "Homofobia é crime. Atentado violento ao pudor, incentivo a promiscuidade, desacato, aliciamento... ...também é! Quer respeito? Se dê ao respeito!" As fotos retratavam, em ordem: 3 homens se beijando, dois homens nus da cintura pra baixo, deitados no asfalto, um travesti com seios à mostra, um homem nu correndo, outro travesti com seios à mostra.
Por mais bem intencionada que a campanha possa ser, e eu duvido que seja, a mensagem que passa é clara: os homossexuais só podem ser respeitados quando pararem de se comportar assim. Ou seja, há uma condicionante à concessão de direitos civis ao homossexuais pelos heterossexuais. Coloca-se, na chamada, os heterossexuais como proprietários dos direitos, que podem ser concedidos ao homossexuais, desde que eles se comportem de acordo com padrões morais exigidos pela sociedade. 

Tipo uma carta de alforria: o negro poderia ter a…

Dois pesos, duas medidas penais

Acabo de ler que 31 pessoas, em 11 estados brasileiros, foram presas ontem sob acusação de pedofilia.
Elas tinham em seus computadores fotos de menores em poses sexuais.
Sem dúvida cometeram um crime segundo as normas brasileiras, restando apenas a defesa, já adotada pelo apresentador de programa de rádio cearense Mução, de que outra pessoa usava o computador. Como computador exige login pra acesso essa "outra pessoa" tem que ser alguém bem próximo e o acusado tem que saber quem é.
Mas eu queria pensar uma coisa, por mais que nos revire o estômago imaginar pessoas vendo fotos de crianças, e até bebês, em poses sensuais ou relacionadas a sexo, é fato que essas pessoas não produziram as fotos. Elas não fizeram mal àquelas crianças, apenas viram as fotos. Por que penalizá-las? Os culpados não são os autores das fotos?
Bom, a primeira resposta óbvia seria que ao ver as fotos, eles estimulam que tais fotos sejam produzidas. Será? Pedófilos dispostos a tirar as fotos, infelizme…

Isso aqui, ô, ô.

Foi criado no Brasil um sistema de marcação de consultas médicas pela internet. (http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/1106191-sites-lancam-servico-de-marcacao-de-consultas-medicas.shtml). O profissional cadastra seus horários disponíveis no site, e o paciente escolhe entre aqueles o que desejar.
Os conselhos já gritaram. Dizem haver concorrência desleal entre os profissionais que podem pagar o serviço e os que não podem.
Besteira. O que os conselhos querem é descobrir uma maneira de faturar com isso.
O quanto cada profissional investe no seu consultório sempre fez diferença. Se um médico ou dentista investe numa central de marcação com 5 telefonistas, atenderá mais clientes (e tem mais probabilidade de marcar mais consultas) do que aquele que contratou a cunhada pra ficar na única linha telefônica do consultório, que quase sempre estará ocupada. Que diferença faz se ao invés de uma central telefônica maior, o profissional investir num serviço de marcação via internet?
Até …

Nulidades

Começou a circular no facebook os boatos antigos sobre a possibilidade de anular uma eleição se 50%+1 dos votos forem nulos.
Sou favorável do voto nulo, mas não por esse motivo, já que isso é uma grande mentira.
Quando se fala que votos anulados cancelam a eleição, a legislação está tratando dos votos dados a candidatos que, por algum motivo, tiveram suas candidaturas canceladas. Nesse caso, o eleitor votou dm alguém que saiu do páreo depois da eleição (às vezes até antes, mas não deu tempo de tirar seu nome das urnas).
No caso em que o próprio eleitor anula o voto, não há qualquer dispositivo que preveja anulação da eleição, qualquer que seja o índice de anulação.
Então pra que serviria votar nulo?
Em primeiro lugar, o voto tem que representar a vontade do eleitor.
Se você vê entre os candidatos alguém que você acha que vai exercer aquele cargo com um mínimo de honra e dignidade exigidos, vote nele. Não importa que as chances dele sejam pequenas, vote nele.
Mas se você examina …