Preocupações maternas.

Minha mãe me liga para saber da greve da polícia e quando eu disse que estava em São Paulo, ela reclamou:
"Viajou pra São Paulo e nem me avisou? Como assim? E se eu morresse?"

Não entendi... "e se eu morresse?"... que diferença faria avisar ou não antes de viajar? Pensei nesses três cenários:

Primeiro:
- Mainha, eu vou viajar pra São Paulo dia 07. Retorno no dia 13.
- Não. Não vai poder ir agora, não. E se eu morrer?
- Como assim? A senhora está sentindo algo? está doente?
- Não. Estou ótima. Mas você sabe, pra morrer, basta estar viva.
- Mas se eu não posso viajar essa semana, que a senhora está bem, vou viajar quando?
- Quando eu morrer... Depois do luto, claro.

Segundo:
- Mainha, eu vou viajar pra São Paulo dia 07. Retorno no dia 13.
- Que dia? Pera aí... Tá, pode ir, mas vou ter que desmarcar.
- Desmarcar o quê?
- Eu acho que ia morrer no dia 10. Mas com você viajando, vou jogar pra outro dia. Deixa ver... semana que vem é carnaval, melhor na Semana Santa que já é feriado e todo mundo vem pra cá. Eu deixo o caruru preparado.

Terceiro:
- Mainha, eu vou viajar pra São Paulo dia 07. Retorno no dia 13.
- Certo, boa viagem. Você vai ficar onde?
- No Hotel 155.
- Tem o endereço de lá?
- Agora, não. Mas tenho o telefone.
- Não, preciso do endereço. Ou uma foto, de preferência de cima.
- Pra quê isso?
- É que se eu morrer, preciso saber onde você vai estar, porque vou aparecer pra dar umas instruções.

Comentários

Postar um comentário

Os comentários são moderados, mas não são censurados. Caso seu comentário não vá ser exibido, uma explicação será dada.

Postagens mais visitadas deste blog

Bate o sino, pequenino

Respeito póstumo

Então não vamos mais brigar