Tem dias que a gente se sente

- Sem gelo, eu disse quando percebi que a moça os colocava gelo no copo antes de pegar o refrigerante na máquina.

- Êêê, pessoa de nome inaudível, mas que se tratava do caixa da lanchonete,  você esqueceu de colocar que era sem gelo.

- Ele não pediu sem gelo, não.

O "ele",  no caso,  era eu,  que estava perto dele e na hora só pensei: que dia extraordinariamente feliz para esse caixa.

Não sei se por ser uma sexta-feira, se por eu estar viajando ou se por efeito de medicamentos, eu resolvi não dar a ele a seguinte resposta, que elaborei rapidamente, até porque parte dela já foi usada pra outro atendente dessa mesma rede de fast-food:

- Pra começar, não me trate por "ele". Se há alguma dúvida sobre o pedido, você deveria perguntar pra mim: Sr. (opcional) Djaman (você perguntou meu nome e anotou nesse papel que está a sua frente), o seu refrigerante é com gelo ou não?

- Segundo, eu sempre peço refrigerante sem gelo. É tão automático que eu peço mesmo nas lanchonetes que eu sei que não servem gelo, como a Cupim Pão de Batata.

- Terceiro,  eu tenho certeza que pedi e reparei que você não prestava atenção porque enquanto eu falava você foi conversar com o cliente que reclamou que não veio dos quarteirões e você disse que ele que esqueceu de pedir.

- Quarto, ainda que eu não pedisse, eu estou comprando refrigerante. Não há qualquer aviso na tabela de preço ou no cardápio de que esse refrigerante virá com gelo, então deveria ser sua obrigação perguntar se é com gelo ou não se o cliente não fala nada.

- Quinto,  essa sua batata está horrível, prova da ineficiência dessa lanchonete, mas isso não é culpa sua, além disso eu não posso saber dessa informação agora, mas só daqui há alguns minutos, quando terei provado e deixado a batata lá, antes de digitar esse diálogo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Então não vamos mais brigar

Respeito póstumo

O vento que venta aqui