Pesquisar este blog

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Uma idéia

Eu tinha, certamente, menos de 5 anos, quando uma prima mais velha, que não vou mencionar para que não se desfaça a imagem de pessoa exemplar e comportada que é, levou-me escondido para ver o um show de Toni Tornado.

Eram os anos 70, e grandes artistas se apresentavam não apenas nos grandes centros, mas em cidades do interior como Nazaré também. Era assim que se faziam conhecido no país inteiro, quando as televisões ainda não funcionavam com programação apenas nacional.

Pois bem. Não havia também policiamento chato de Juizado de Menores que impediria uma criança a ir num show de um cantor de soul music. Do show, nada lembro, a não ser o que essa prima conta. Diz ela que eu voltei pra casa, para seu desespero, repetindo um trecho de uma música, que dizia "mesma cor, mesma cor". Eu me lembro de ter visto Toni Tornado defendendo BR-3 na TV, e lembro de trechos da música, e acho estranho não ter sido essa música que eu fiqueri repetindo. Mas minha prima disse que era uma que dizia "mesma cor, mesma cor".

Hoje, finalmente, parece que encontrei a tal música de Toni Tornado. Essa é a única da discografia dele que tema  expressão mesma cor:

A letra:

Quando eu nasci, vim sem pedir
Antes eu fui uma idéia, só uma idéia
De minha mãe e meu pai
De construir alguém
Que só soubesse amar.

Eu aprendi minha lição:
Eu sei que a sombra das mãos
Jogam no chão.
A mesma cor, A mesma cor
Ô, que idéia.

Pai, olhe pra mim,
Pro que seu filho aprendeu.
Já sofreu pela vida, já pediu pela morte
Mas hoje, meu filho, nada mais o atinge.

Não sei se foi o ritmo, a figura do cantor ou a sonoridade da frase. Mas sei que naquele dia, há mais de 35 anos, voltei pra casa com uma idéia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são moderados, mas não são censurados. Caso seu comentário não vá ser exibido, uma explicação será dada.