Nosso orgulho!

"Nós nunca tivemos problemas de andar a pé. Anda a pé, vai descalço vai de bicicleta, vai de jumento, vai de qualquer coisa. Acha que a gente está preocupado?"

"'Ah, não, porque turista tem que ter metrô que leve até dentro do estádio'. Que babaquice é essa? Nós temos é que dar garantia para essa gente assistir ao jogo, comer nossa comida (...), é isso que temos que ter orgulho"

Com essas palavras, Lula justificou há pouco tempo a falta de estrutura para a Copa, apesar dos gastos superarem o de qualquer Copa já realizada. 

Sintetiza dizendo que não devemos nos enquadrar em padrões internacionais de qualidade. Afinal, somos brasileiros, temos nosso jeito de fazer as coisas, e os gringos que se acostumem com isso. 

Babaquice se gringo tem padrões (ainda que alguns apenas teóricos) de qualidade nos serviços, exigência de acessibilidade aos locais, de contrapartida entre impostos pagos e serviços públicos. 

Nós brasileiros, não somos assim. 

Quando uma marca não nos presta um serviço de qualidade, nós não escrevemos pro SAC da empresa, não deixamos de utilizar aquela marca, não fazemos campanha de boicote. Nós simplesmente esperamos um vídeo ou piada com aquela marca aparecer na internet e compartilhamos e rimos. Pronto. O resto é babaquice. Somos assim. Não nos interessa o que pensam os gringos. 

Quando uma figura pública faz um desfalque, sonega dinheiro, desvia verba, nós não escrevemos para o partido, não assinamos petição, não exigimos das autoridades a devolução do dinheiro. Nós fazemos um boneco dele no Sábado de Aleluia e "malhamos o Judas". O resto é babaquice. Somos assim. Não nos interessa o que pensam os gringos.

Quando um locutor esportivo é irritante, fala sempre os mesmos chavões, puxa saco descaradamente dos jogadores patrocinados pelos patrocinadores da emissora, nós não mudamos de canal, para cair a audiência e a emissora repensar esse papel. Nós vamos para os estádios com um cartaz pedindo para o locutor nos filmar, ao mesmo tempo que gritamos: "ei, fulano, vai tomar no cu". O resto é babaquice. Somos assim. Não nos interessa o que pensam os gringos.

Ontem trocaram parte da letra do corinho do Galvão Bueno. Substituíram seu nome pelo de Dilma. Ele deve ter ficado contente por isso. Não somos de exigir apuração desses gastos da Copa. Não somos de responder nas urnas pela insatisfação que temos. Não somos se boicotar a Copa, não indo aos estádios. 

Somos de mandar a presidente tomar no cu. O resto é babaquice. Somos assim. Não nos interessa o que pensam os gringos. É disso que temos nos orgulhado tanto!

O que me espanta é só agora alguns terem se dado conta disso. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bate o sino, pequenino

A carne mais barata do mercado...

Respeito póstumo