Razão dos nossos dias

 (Os vídeos complementam o texto e devem ser assistidos no momento em que aparecem)


Hoje é o dia dela!

A que padece no paraíso com o avental sujo de ovo!

A mãe. Também conhecida como “a sua”

A responsável por todos os nossos traumas, vergonhas, surras e por tudo que aprendemos sobre economia.


E vamos falar de algumas mães famosas da história, começando pela primeira delas. 

Toda vez que você reclamar que sua mãe bagunçou os seus papéis, desprogramou sua TV a cabo, desconectou seu wi-fi ou mexeu em algo que não devia durante aquele tempo ocioso em que ela fica dentro de casa, lembre-se que os filhos de Eva devem ter se emputado muito mais, quando ela foi mexer naquela merda de maçã. Eles saíram do condomínio de luxo e foram morar na favela por causa disso.

Mas a pobre Eva pagou caro pelos seus pecados e, como boa mãe, carregou sua culpa e seu fardo. Imagine essa coitada tendo que conter os hormônios daqueles adolescentes quando eles começaram a despertar para o sexo. Eram todos irmãos.



Ela não teve muito sucesso, é verdade. Mas, mesmo quando falha, uma mãe faz o que é certo e isso proporcionou que surgisse a humanidade

Outra mãe crente famosa, foi Maria. Ficou grávida. Mas não era do marido... era de Deus. 



Aturou aquela vida riponga do filho, não estudava, não trabalhava, vivia viajando com os amigos, se envolveu com prostitutas, e até em subversão... o pai, severo, desamparou.
Mas a mãe continuou ali... até a morte... Na verdade, até depois.

Mas eu penso também naquelas mães desconhecidas de vultos famosos da história. 

O que será que pensava a mãe de Hitler?



E que espécie de mulher seria a mãe de Freud? Só podemos imaginar...





Ninguém parece discordar do desejo de querer ter sua mãe consigo para sempre. E todos parecem ter na figura materna uma fonte de inspiração e de valores a serem copiados.



Ainda que às vezes, isso seja um pouco estranho.
Seja como for, minha singela homenagem a ela, que durante nossa infância, cuidou da gente, esteve junto nos momentos alegres e tristes e nos ensinou as coisas da vida, mesmo quando fazíamos as perguntas mais difíceis e repetitivas.




Para todas as mamães!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Então não vamos mais brigar

Respeito póstumo

O vento que venta aqui