Nulidades

Começou a circular no facebook os boatos antigos sobre a possibilidade de anular uma eleição se 50%+1 dos votos forem nulos.
Sou favorável do voto nulo, mas não por esse motivo, já que isso é uma grande mentira.
Quando se fala que votos anulados cancelam a eleição, a legislação está tratando dos votos dados a candidatos que, por algum motivo, tiveram suas candidaturas canceladas. Nesse caso, o eleitor votou dm alguém que saiu do páreo depois da eleição (às vezes até antes, mas não deu tempo de tirar seu nome das urnas).
No caso em que o próprio eleitor anula o voto, não há qualquer dispositivo que preveja anulação da eleição, qualquer que seja o índice de anulação.
Então pra que serviria votar nulo?
Em primeiro lugar, o voto tem que representar a vontade do eleitor.
Se você vê entre os candidatos alguém que você acha que vai exercer aquele cargo com um mínimo de honra e dignidade exigidos, vote nele. Não importa que as chances dele sejam pequenas, vote nele.
Mas se você examina a lista de candidatos e vê que todos já passaram pela vida pública e não fizeram o mínimo esperado, ou parecem oportunistas querendo ver chegar a vez deles, não vote em ninguém.
Votar no menos pior não é opção, é falta de opção. O voto nulo demonstra uma insatisfação. Claro que algum deles irá ganhar, quer você vote ou não. Mas se você não votar, diminui a representatividade desse eleito. Ele já não poderá fazer e desfazer à vontade, com os outros partidos permitindo, por causa da popularidade dele. A oposição ao governo, seja ele qual for, é sempre saudável para manter o equilíbrio e com muitos votos nulos, quem quer que ganhe terá uma oposição forte. E todos os partidos se preocuparão mais em procurar melhores nomes nas próximas eleições.
Quem vota nulo também não pode se eximir sob a alegação de "eu não votei nele". Ao contrario, deve cobrar e participar ativamente para termos candidatos que mereçam nossos votos.
Votar nulo, conscientemente, é voto válido. Votar no menos pior é anular-se.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bate o sino, pequenino

Respeito póstumo

Então não vamos mais brigar