Roçando a língua de Luis de Camões

"Atenção, senhores usuários do Ferry-boat. Próxima saída ao ferry, horário das 11:20. Ao ferry Agenor Gordilho".

O locutor da TWB não apenas desconhece nossa gramática. É pior. Ele pensa que conhece. Ele não fala como os ignorantes usuários do sistema que dizem "saída do ferry". Assim é como falam os vizinhos dele, os colegas de trabalho, a família.
Ele é diferente. Ao menos, quer ser. E ser diferente significa falar como os "doutores" e ele já viu doutor falando "ao". Então "ao" é chique, é inteligente.
E nosso herói passa a usar "ao" quando acha conveniente. Isso, certamente, vai impressionar os usuários, vai humilhar os colegas e vai demonstrar ao chefe que ele merece ser promovido. E quer saber mais? Ele viu os doutores usando "literalmente". A partir de agora, toda vez que tiver oportunidade, ele usa "literalmente". E quando escrever, já sabe, tem um "a" sozinho, tasca uma crase. É culto.
Esse é o retrato de uma mediocridade que despreza tanto a si mesmo, que rejeita tanto os seus, que cai no ridículo de expor sua ignorância tentando parecer culto. O povo que rejeita o Tiririca e renova as oportunidades para Collor.
"O Brasil é feito por nós".



-Via iPhone

Location:Travessa Fausto Cardoso,Salvador,Brasil

Comentários

Postar um comentário

Os comentários são moderados, mas não são censurados. Caso seu comentário não vá ser exibido, uma explicação será dada.

Postagens mais visitadas deste blog

Bate o sino, pequenino

A carne mais barata do mercado...

Respeito póstumo