Meu mulato izoneiro

Quem quiser que cante o jeito brasileiro em seus versos, eu só consigo ficar perplexo com as coisas que presencio.
Sábado cheguei em casa e me surpreendi com um carro atravessado em duas vagas do prédio, sendo que uma era a minha.
Eu não tenho carro, mas Alexandre, que está dividindo o apartamento de Feira comigo, tem.
Ele está viajando e não tenho idéia de quando ele retorna, mas se fosse no sábado, o carro teria que ficar do lado de fora.
No domingo o carro tinha desaparecido, mas hoje de manhã ele retornou.
O dono é o novo inquilino do prédio e quando eu fui falar com ele sobre a vaga, ele me perguntou se eu iria utilizar?
Ora. A vaga é minha. Eu pago por ela. Se eu utilizo ou não é um problema meu. Não dá direito ao sujeito colocar o carro lá sem pedir.
Eu respirei fundo e disse que posso precisar a qualquer momento, portanto, ela tem que ficar desocupada.
O Brasil, samba que dá!


Pelo celular: Djaman Barbosa.

Comentários

  1. Acredite, aqui nesse interior onde moro é igual. Ou pior...
    Beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários são moderados, mas não são censurados. Caso seu comentário não vá ser exibido, uma explicação será dada.

Postagens mais visitadas deste blog

Então não vamos mais brigar

Respeito póstumo

O vento que venta aqui