Chatice

"Todo chato é bonzinho, nunca nos fez nenhum mal. Todo chato é calminho, como se faltasse sal".
O autor dessa frase entende do que fala, afinal, é O chato da MPB, Oswaldo Montenegro.
Realmente essa bondade, essa vontade de ajudar, o desejo de não incomodar, é o que mais irrita no chato.
E aqui estou eu, em plena quarta-feira, diante de uma chata da pior espécie. Alegre, otimista, com filosofias sobre o estereotipo que a vestimenta cria nas pessoas, querendo parecer descolada, enquanto repete pela quinta vez que amanhã terá uma reunião com o Secretario de Educação, no momento ela faz uma análise sobre as diferenças entre as praias de Arembepe, analisando o astral em cada zona dali.
Deus! Como eu queria afogar essa mistura de Polyana com hippie em qualquer água dali seja doce ou salgada, quer seja boa para energizar ou trazer paz!!!!
A gente conhece um chato no momento em que a gente pergunta "como vai?" e ele responde!
"Como vai" é mero cumprimento! A resposta mais longa pra isso é "bem, obrigado". Não é pra descrever seus problemas no emprego, as peripécias de seu filho caçula ou sua preocupação com a política econômica do governo. Mas o chato relata seus dramas pessoais e se mostra imensamente interessado nos alheios.
Mas por mais que o chato tenha perdido cem mil reais numa aplicação mal feita, tenha encontrado a mulher com outro na cama do casal e descoberto que o filho adolescente está agenciando a filha adolescente como prostituta, ele sempre terá uma frase tirada de um livro de auto ajuda vendido em banca de revista que o faz enfrentar tudo e que serve também para o seu problema que ele acha que sabe, mesmo você não tendo dito uma palavra.
Gente, como eu odeio gente chata! Trocaria com prazer as leis anti-fumo por leis anti-chatos. Chatos só dentro de casa ou em áreas exclusivas para eles.
Vou sair daqui antes de apertar o pescoço dessa menina.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bate o sino, pequenino

A carne mais barata do mercado...

Respeito póstumo